domingo, 6 de fevereiro de 2011

Tempestade de Emoções # 45

XLV

As aulas estavam quase a começar e para que as férias terminassem em beleza, Salvador convidou Maria a passar uns dias nas Caxinas. Maria conseguiu convencer os pais na condição de levar Rita com ela. Rita acabou por fazer o jeito ao casalinho.
Os dias no Norte incluiam uma surpresa para Maria... Salvador mostrou-lhes tudo o que de bonito havia para ver nas Caxinas, passaram um dia no Porto, entre outras coisas...  As raparigas estavam a adorar. Rita ao contrário do que pensava, acabou pro não se sentir 'vela' pois tinha a companhia dos amigos de Salvador.
Numa das noites, Salvador, as meninas e os irmãos do rapaz sairam para supostamente irem tomar café.
- Entã, mas não iamos tomar café ? - perguntou maria, desconfiada, wuando o carro parou em frente a um prédio.
- E vamos.
- Quem é que mora aqui ?
- Já vais ver. - respondeu Salvador com um sorriso malandro.
- Oh, diz lá.
Tocaram à campainha , a porta do prédio abriu-se, subiram no elevador e quando sairam, estava numa das protas uma rapariga de cabelos louros com um grande sorriso. Maria reconheceu-a de imediato, não queria acreditar.
- Não posso! Mas, mas vocês disseram que ele ia ficar em Lisboa!
- És muito ingenua, princesinha. - brincou Salvador.

Maria estava muito envergonhada, queria muito conhecer o Fábio mas tinha sido apanhada completamente desprevenida...
- Entrem. O Fábio está a acabar de se arranjar, vem já. Maria, fico muito contente que esteja tudo bem contigo.
- Oh, obrigada. - sorriu timidamente.
- A Vitória está a dormir ?
- Sim.
- Então vamos falar baixinho.
- Ahah, não te preocupes, lá em cima ela não consegue ouvir.

Estavam todos em amena cavaqueira quando se ouviu alguém descer as escadas.
- É agora! - disse Maria entre dentes. O seu coração batia acelaradamente. Agarrou o braço de salvador com alguma força e este riu-se.
- Ora boa noite! - cumprimentou-os Fábio com um belo sorriso. - Hm, deixa-me adivinhar, tu é que és a Maria.
- Sou. - respondeu Maria.
Salvador estava a conter o riso.
- Calma lá, isto não é assim. - brincou. - Eu faço as apresentações. Maria, este é o meu amigo Fábio Coentrão, também conhecido por melhor defesa-esquerdo do mundo e arredores, não sei se já ouviste falar.
Todos se riram com a brincadeira de Salvador.
- E Fábio, esta é a Maria, a minha namorada, que nutre um fascinio enorme por ti. Juro que não entendo porquê! - Maria corou e os outros riram-se.
- Oh, que parvo. Assim fico toda embasbacada.
- Esqueci-me de referir que ela tem expressões que não lembram a ninguém. Embasbacada, significa que está euforica e que se não fossem as circunstancias apetecia-lhe gritar e saltar.
Gargalhada geral.
- Prazer, Maria. - cumprimentou-a finalmente Fábio.
Maria estava de facto muito embasbacada e não sabia onde havia de se meter ou o que dizer, contudo essa sensação acabou por desaparecer e passaram uma noite muito agradável.

Maria era novamente ela, sentia-se feliz, sentia-se plena.


Tudo está bem , quando acaba bem.




FIM

7 comentários:

  1. olha isto é maravilhoso benfiquista <3

    ResponderEliminar
  2. estou a adorar o teu blog, e como é obvio estou a seguir :D

    ResponderEliminar
  3. Ando a ler a historia e estou a adorar!

    ResponderEliminar
  4. amei esta história , é mesmo linda :$
    continua a escrever assim , nunca desistas !

    ResponderEliminar